Garra de Ouro, Homenageia as nossas escritoras negras

por Lucimar Adão, Zeca Santos;

O Grêmio Recreativo e Cultural Garra de Ouro, é uma escola de samba, na verdade uma academia do samba) de Niterói (município fluminense) fundada em 2003, tem as cores vermelho e amarelo, seu símbolo é o punho da liberdade e tem como escolas madrinhas a Unidos de Lucas e Porto da Pedra( escola de São Gonzalo, que já esteve no grupo especial). E tem sua quadra de ensaios no Largo da Batalha.

ff47fdf6-8e61-4bd9-b2a9-73bcc00cc115 (1)

Desfila pelo grupo B da Liga das Escolas de Samba de Niterói(LESNIT) , Liga essa que revelou grandes agremiações do carnaval como Unidos do Viradouro, Acadêmicos do Cubango .

IMG-20200206-WA0336

Garra de Ouro, já fora campeã do carnaval de 2016,vem se firmando no cenário carnavalesco com enredos que falam ao coração de homens e mulheres que buscam conhecer a própria história e cantá-la com força, honra e glória. São enredos que provocam o povo negro a encontrar líderes abolicionistas ou mulheres na luta pela resistência e existência sociocultural neste país. Foi assim em 2019 com o enredo sobre Luiz Gama, que foi muito bem interpretado pelo premiadíssimo ator Deo Garcez.

E não será diferente no carnaval 2020, que vem  homenageando nossas escritoras negras. E que mulheres são essas?

e927208f-d61a-4e84-a265-8c5725a8622e
divulgação.

Maria Firmina dos Reis, a abolicionista negra que se tornou a primeira romancista do Brasil, uma escritora maranhense que publicou em 1859 o romance ‘Úrsula’, precursor da temática abolicionista na literatura brasileira. É ela quem centraliza a imagem do banner de divulgação do enredo. Foi uma mulher tão brilhante, que o Google homenageou-a em um doodle , desenhado pelo ilustrador Nik Neves, de São Paulo.

Uma ilustração da escritora abolicionista Maria Firmina dos Reis.

Elisa Lucinda, capixaba da cidade de Vitória(ES).   É poetisa, jornalista, cantora e atriz .  Idealizadora e fundadora da Casa Poema, a artista tem seu foco de atuação na arte-educação. Apresenta uma narrativa impositiva e realista além de provocadora onde a mulher é força, coragem e mãe. Possui 12 livros publicados. Lamentavelmente, ela não pode estar presente ao ensaio e também não estará no desfile, pois já está em Portugal, em tournè e ainda lançará mais um livro na Feira Literária do Porto. Aplausos a ela.

elisa
…´´Sei que não vai dar para mudar o passado. Mas, se a gente quiser, vai dar pra mudar o final..´´(Elisa Lucinda); foto: divulgação

 

Lia Vieira , carioca nascida em 1958, é pesquisadora, artista plástica, dirigente da Associação de Pesquisa da Cultura Afro-brasileira e militante do Movimento Negro e do Movimento de Mulheres que vem despontando com sua escrita de olhar sensível e posicionamento social. No enredo da escola, a Chica da Silva narrada por Lia emerge do mar de sua própria história desmistificada e cheia de ancestralidade.
IMG-20200206-WA0276
“Nosso papel é resgatar, com criatividade o vasto patrimônio afro.
A cultura negra é muito mais, do que capoeira e cuscuz”.(Lia Vieira) fotos: Lucimar Adão

Eliana Alves Cruz, a mais nova a entrar nessa constelação, nascida no Rio de Janeiro em 1966, jornalista por formação, vice-presidente do Comitê de Mídia da Federação Internacional de Natação – FINA, responsável pelo site www.blacksportclub.com.br, voltado para o resgate da presença negra no esporte. Como escritora vem se destacando na ficção, e conquistando inúmeros prêmios como em 2015 no seu primeiro romance´´Águas de Barrela´´o livro foi contemplado em primeiro lugar no Prêmio Oliveira Silveira, concurso promovido pela Fundação Cultural Palmares, e recentemente foi ganhadora do Prêmio Ubuntu 2020 na categoria de Melhor Escritora de Narrativa Preta. Possui o brilho da simplicidade e da autenticidade na vida e na escrita. Sua presença neste enredo criado por Carlos Mariano é um mergulho na memória e na cultura negra.

fotos e imagem: Lucimar Adão

Fique conosco deixe seu comentário, inscreva-se em nosso canal no YouTube  Te Vejo Aqui by Zequinha, pois é nele que você leitor seguidor e fã tem acesso as entrevistas exclusivas e aos teasers de nossas matérias e não deixe também de curtir e comentar ou ate compartilhar nossas dicas e informes  na página do Facebook TE VEJO AQUI atualizada pelos nossos profissionais . E não deixe de nos seguir no Instagran @tevejoaquibyzequinha.

IMG-20200206-WA0244

 

 

Débora Moreno, niteroiense, nascida e criada no Morro do Estado(Niterói), desde dos 6 anos catava lixo para ajudar sua mãe, e já nessa época se encantou pelas capas coloridas dos livros que encontrava. Escreveu seu primeiro texto aos 7 anos, no meio desse caos em que vivia. Coletou latinhas até 38 anos, hoje com 45, e teve 2 importantes momentos na sua carreira, em 2010, quando lançou seu 1* livro ´´Sapatos do Tempo´´ e por ele passou a ser convidada a ministrar palestras em escolas. Em 2019 o sonho maior fora convidada a lançar sua ´´Lolita, Braço de Fita” ´´ na XIX Bienal do Livro. Com essa sua experiência de vida não poderia ficar de fora do mar negro do Garra de Ouro, pois ela é a própria superação e talento que grita pelos direitos sociais e humanos.

IMG-20200206-WA0280
..´´ Até hoje, muitas vezes, eu sou a Lolita da vida real. A história reflete um pouco do que vivo e do que as crianças de comunidades vivem.´´(Débora Moreno) foto: Lucimar Adão

Conceição Evaristo, mineira de Belo Horizonte, nascida em 1956, escritora, poetisa, romancista e ensaísta. Ganhadora de inúmeros prêmios como o Jabuti de Literatura em 2015; Prêmio O Globo Faz a Diferença de 2017 categoria prosa e versos; Prêmio Claudia de Cultura em 2017. Mulher guerreira, que aos 60 anos escreveu seu primeiro livro e reivindicou com propriedade a vaga na Academia de Letras. Cidadã do seu tempo, esta escritora usa a palavra como ferramenta de denúncia às injustiças, ao racismo, à exclusão e provoca maremotos nas águas da resistência.

fotos e imagem: Lucimar Adão

 

Eliana Cruz, Lia Vieira, Débora Moreno e Conceição Evaristo, abrilhantaram a noite com sua disponibilidade e espontaneidade ao desembarcarem no cais do Garra de Ouro, despertando a alegria nos componentes da escola. fotos: Lucimar Adão

O Presidente Cidiclei falou da importância desta representatividade e isso foi perceptível na diversidade ética no chão da escola. fotos: Lucimar Adão

Era visível o reconhecimento das escritoras presentes e da contribuição cultural que emergia por meio delas, pois carnaval é isso, é trazer a cultura com alegria , mas também como forma de resistência de uma ancestralidade que precisa ser vista em todos os setores da sociedade. fotos: Lucimar Adão

Todas escritoras, mulheres e negras com suas “garras” de vencer que de fato, valem ourofoto: Lucimar Adão

IMG-20200206-WA0308

A coluna agradece ao convite da escola em nome de uma de suas diretoras a Dra. Sônia, o nosso muito obrigado e desejamos sorte no desfile, que dar-se-á na segunda de carnaval (24/02) em Niterói.

Deixe uma resposta